2014

Homossexualismo (sic) é pecado e pobreza leva ao crime (a cartilha mofada de Marcelo Crivella)(Senador e atual candidato ao governo do RJ pelo PRB)O senador Marcelo Crivella, candidato do PRB ao governo do Rio, é um homem de outro tempo. Não se sabe se ele faz campanha no século XXI com a cartilha do século XIX por convicção ou se apenas joga para a plateia – uma plateia amedrontada e conservadora que não alcançou nem entendeu o mundo atual. Em outras palavras: não se sabe se o candidato não entende o planeta onde vive ou se finge não entender.

Durante a semana, em entrevista a um programa da TV Bandeirantes, o candidato desenhou com cores primárias o território que pretende governar. Segundo ele, “se deixar a população da Baixada, das regiões periféricas, vivendo na miséria, essas pessoas migram para roubar na capital, onde tem a maior riqueza”.

É um discurso no mínimo estranho a quem se opõe ao atual governador, Sergio Cabral Filho (PMDB), aquele sujeito com o guardanapo na cabeça que defende o aborto como forma de conter a violência nas favelas – em suas palavras, “uma fábrica de produzir marginais”.

Governador e opositor parecem discordar dos meios, mas não dos fins, quando o assunto é segurança pública. Para eles, a segurança da zona sul passa pelo cerco à zona periférica, seja pelos meios contraceptivos, seja pela gorjeta. Caso contrário os mal nascidos migram por osmose em direção aos bairros açucarados para levar unicamente o caos, e não a mão-de-obra.

Pelo raciocínio, o caminho da violência é um só: de baixo para cima. Ou, do morro para o asfalto. Nem Crivella nem o atual governador parecem capazes de explicar a presença de marginais bem nascidos também em condomínios de luxo, shoppings de alto padrão, clubes recreativos, palácios administrativos ou construtoras de ascensão meteórica. Estes, não por coincidência, jamais pisaram no morro.

Na mesma entrevista o candidato se saiu com outra pérola: “não acredito que homossexualismo seja uma doença, mas é pecado”. De novo a dúvida: o candidato não sabe o que diz ou finge que não sabe?

No primeiro caso, caberia ao estafe do senador explicar que, na língua portuguesa, o sufixo “ismo” denota justamente doença. Que seja um ato falho: como religioso, Crivella está livre para criar e se virar com os próprios pecados. Como homem público, definir quem é ou não pecador pode ser mais que um juízo. Afinal, se eleito governador, como promete tratar os pecadores? Hoje quem peca roubando vai para a cadeia. E quem peca por andar de mão dada com parceiro de mesmo sexo? Vai para a cadeia também? Vai a julgamento? Resolve-se com quem não tolera o pecado portando barras de ferro e lâmpadas fosforescentes? E como é, afinal, governar para pecadores? Eles pagariam os pecados aqui ou no céu? Seriam obrigados a frequentar aulas de purificação, como sugeriram alguns colegas do Congresso ao tentar regulamentar a cura gay?

São perguntas que qualquer eleitor que incorre em pecado pode se fazer ao acompanhar a entrevista de seu candidato.

A declaração do senador foi dada após ser questionado sobre uma lei anti-homofobia em tramitação na Assembleia Legislativa do Rio. Para Crivella, o projeto é motivo de preocupação: a lei pode extrapolar e impedir que pastores digam o que pensam e sentem sobre o pecado.

Diante de tantas perguntas em aberto, esse mesmo leitor poderia concluir: para o candidato, é mais preocupante um projeto que impede um pastor de dizer em público que “homossexualismo é pecado (sic)” do que os índices de violência contra homossexuais – índices que, vale lembrar, não são produzidos por quem não tem o que fazer nas regiões periféricas e decidem, como na lei da física (ou da osmose na biologia), descer ao asfalto para praticar o terror.

Fosse apenas um aluno, e não candidato a governador, a visão refinada de mundo renderia ao senador duas bombas na quinta série. Mas, na boca de um candidato, a groselha rende dividendos políticos. Crivella não é o único homem fora do seu tempo, mas parece falar em nome deles. Seu nome é legião porque são muitos – e por isso inicia a campanha com chances reais de vitória.

Na última pesquisa Ibope, ele aparece com 16% das intenções de voto, atrás apenas de Anthony Garotinho (PR), que lidera uma corrida eleitoral quatro anos após ser condenado, em 1ª instância, por formação de quadrilha e proteção à máfia de caça-níqueis do Rio. Ele tem 21% das preferências.
São eles os mais prováveis substitutos para um governo que na semana passada colocou Mikhail Bakutin, filósofo russo morto em 1876, na lista de potenciais suspeitos de promover baderna nos protestos deste ano pela capital.

Entre pérolas, laranjas e a tragicomédia, a largada para a disputa no terceiro maior colégio eleitoral do País não poderia ser mais melancólica.

Deixe uma resposta e aguarde ser moderado

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s